Etiquetas

, , ,

Nappily Ever After é uma comédia romântica, mas para ser sincera, a descrição e o título em português desvalorizam o que o filme realmente trata. É sobre uma mulher que descobre quem não é e esforça-se para se descobrir numa sociedade que tem regras definidas e não negociáveis sobre beleza e relações amorosas.

A análise deste filme foi espontânea, mas a história e a forma como foi transmitida tiveram um impacto profundo. E a mensagem que transmite, apesar de intemporal, é atualmente importante. Acho que todas as mulheres – sempre que tiverem um momento de baixa autoconfiança – deviam vê-lo e revê-lo. Numa perspectiva de escritora, acredito que este filme é um bom exemplo em como Love está aqui representado em duas partes: amor-próprio e relação amorosa. Vão perceber o que quis dizer com isto, principalmente se virem o filme. Recomendo.

A análise foi muito básica: identificar as cenas obrigatórias (de acordo com o Story Grid) que compõem uma história romântica. Mesmo assim aprendi: nem tudo tem de ser linear ou perfeitamente ordenado, e identificar momentos-chave da história levou-me a sentir o filme um pouco mais profundamente. Para ser sincera, é um exercício curioso para se fazer depois de um filme que tenta transmitir mensagens fortes e pessoais.

Lovers Meet Scene

No cabeleireiro, onde ele trabalha e do qual é dono e quando o cabelo é uma obcessão dela.

Confession of Love Scene

Quando ele oferece um produto para o cabelo que é orgânico e realça a beleza natural dela.

First Kiss / Intimate Connection Scene

Acredito que houve duas cenas deste tipo: uma virada para o amor-próprio e a outra virada para a relação.

Amor-próprio: quando ouve a mulher do grupo e decide aceitar a responsabilidade pelo que fez com orgulho (“own it, girl”) e aparece no trabalho sem o lenço na cabeça a esconder que rapou o cabelo. Isto fê-la iniciar a conexão com a sua própria beleza e a desapegar-se da beleza segundo a sociedade.

Relação amorosa: quando ele a apanha a entrançar o cabelo da filha dele. Esta conexão intima entre os dois baseia-se no amor e carinho que sentem pela miúda. Curiosamente, nota-se que ela quer proteger a filha dele do preconceito de beleza da sociedade.

Lovers Break Up Scene

Quando ela tenta esconder o que ele fez perante a tentativa de mãe em fazer-lhe um arranjinho com um advogado bem-sucedido à frente dele. A ironia é que ele é dono de um negócio bem sucedido, mas por um cabeleireiro, não ser rico e não possuir um estilo de vida luxuosa, é julgado e desprezado. Embora seja comparado com um homem também bem-sucedido, é o estilo de vida, a imagem (luxo vs simplicidade) que está em questão. Aqui, ela ainda não conseguia desapegar-se de como era vista aos olhos da sociedade (representada pela mãe).

Proof of Love Scene

Acredito que esta cena recaia principalmente sobre o amor-próprio, porque o filme tem uma conexão de busca pessoal muito forte: o momento em que ela tem de escolher entre o que a mãe quer (que ela seja a filha e mulher perfeitas mas que causa-lhe infelicidade) ou escolher o que ela quer para si própria (ser ela mesma, vestir a sua própria pele e sentir orgulho em ser quem é). E a prova de amor-próprio é quando se escolhe a si mesma, desafia anos de submissão [à mãe, que representa a sociedade] e atira-se para a piscina na festa de noivado.

The Lovers Reunite Scene

Quando ela – que apresenta produtos – faz uma apresentação dos produtos naturais dele a uma empresa com resultados promissores.

Esta cena foi refrescante. Não foi um “atirar para os braços um do outro”. Havia questões por resolver entre os dois e a reunião deu-se mais a título profissional. Ele não esconde que a decisão dela no passado (e que originou Lovers Break Up) o magoou, tal como não esconde que gosta dela, ou ela dele. Tal como numa relação real, estes dois terão de encontrar um caminho que funcione, se quiserem que a relação amorosa aconteça. Como na vida real.

Curiosamente, a posição desta cena foi simplesmente brilhante.